É basicamente isto.

É basicamente isto.

13 de maio de 2013

Sai uma vida nova, sff.

Honestamente, não sei se este post fará algum sentido. Mas nas últimas 48h, eu própria faço pouco. Gosto da minha vida, tal como é. Gosto da minha vida com as pessoas que fazem parte dela, com o meu núcleo duro e com algumas surpresas que vão aparecendo pelo caminho. Gosto do meu País, da Cidade onde vivo, das minhas rotinas. Gosto da minha vida, a sério que sim. Com dias que podiam durar uma vida de tão bons que são, e com outros em que cada segundo pesa em cada ombro. Não digo que não me falta nada, nem alguém, mas sinto-me bem com aquilo que tenho. Se há uns anos tinha dificuldade em dizer que era uma pessoa feliz, hoje não tenho dúvidas. Sou. Ainda assim, nas últimas horas, nos últimos dois dias, tive certeza que preciso de mudar de ares. Preciso, mesmo e muito, de viver uns tempos noutro local, ainda que não além fronteiras. Preciso de conhecer outras pessoas, mas com a certeza que as minhas se manteriam no mesmo lugar e à minha espera. Preciso de, temporariamente, sair das minhas rotinas e fazer tudo diferente. De não frequentar os mesmos sítios, de não me cruzar com as pessoas do costume. Preciso de exorcizar fantasmas e demónios, e a tropeçar neles a tarefa é mais complicada. Pela primeira vez na vida, era menina para largar tudo e ir um ano para qualquer sítio que desconheço, viver uma realidade que não tenho como minha. E aposto que, pela primeira vez na vida, isso não me assustaria. Preciso de tirar uma espécie de licença da vida que tenho, mas mantê-la porque quero regressar a ela.
Repito, vezes sem conta que preciso. E preciso. Mas falta-me coragem. Ainda não será desta. Por enquanto, tenho de aprender a exorcizar por cá. Eu bem olho para o pulso e leio, diariamente, o "Let it be". Mas agora, precisava de ir. Talvez um dia.

32 comentários:

  1. Xi...conheço bem essa sensação. Felizmente passa em dois ou três dias...até uma próxima.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Costuma ser assim, costuma. Esperemos que sim!

      Eliminar
  2. Espero que encontres o lugar ideal para estar e que te faça plenamente feliz!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma insatisfação momentânea, espero eu...

      Eliminar
  3. Quantas vezes não sinto que preciso de ir? Ir simplesmente... Para onde? Não sei. E acabo por ficar. Vou ficando...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Vai...não tenhas medo, vai!
    (sou bom a incentivar, mas partilho do teu estado de alma)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. MUITO medo de decisões de tamanho porte...quem sabe um dia.

      Eliminar
  5. Já fui e voltei ao local de partida: solteiro, teso e mais velho do que antes...

    ...melhor sorte!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também pode acontecer...nestas coisas só há uma certeza : se nada mudarmos, tudo se mantém.

      Eliminar
  6. Eu agora voltava era à minha vida em Portugal, ai voltava voltava! mas percebo-te eu também sou assim, demasiado assim...preciso de estar em constante movimento (no verdadeiro sentido da palavra) e isso ás vezes é complicado de digerir

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será a eterna "insatisfação" feminina a falar mais alto? Será que, de facto, queremos sempre mais? Ou diferente? São fases, espero eu! Pelas duas =)

      Eliminar
  7. É assim que, de adiamento em adiamento, a vida se vai esgotando e um dia achamos que não vamos a lado nenhum, porque já é tarde demais. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse é um dos meus maiores receios, agora tocaste na ferida. Desperdiçar tempo! Tenho muito medo de um dia olhar para trás, e arrepender-me de não o ter aproveitado melhor...

      Eliminar
  8. A vida é dos que arriscam, se te acomodares vais sempre ficar na dúvida que tudo poderia ser diferente. Se te surgiu uma oportunidade com futuro fora do País agarra-a com ambas as mãos, porque a sorte não bate à mesma porta duas vezes.
    Gostei de passar por aqui e vou ficar.
    Vivi
    http//esquecimedeviver.blogspot.com/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente (?) não me surgiu uma oportunidade. De vez em quando isto acontece-me. Neste momento, mais porque preciso de colocar no passado coisas que já lá deveriam estar e uma mudança de ares poderia ajudar.
      Obrigada =) Sê bem vinda!

      Eliminar
  9. ... acho que todos temos um bocadinho desse sentimento.
    e até à quem me diga que não estou satisfeita com nada :P

    Mas sabes... o ir acho que tem a consequência de um voltar sempre diferente, e não falo da pessoa que vai, mas de tudo o que fica. :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também sou acusada do mesmo ;)

      Pois, e eu queria era voltar e encontrar parte do que já tenho intacto!

      Eliminar
  10. Essa vontade é um projecto que tenho nos próximos anos e não será por um ano. Agora em relação ao teu belísimo texto discordo de uma coisa, só de uma, :) Não acredito que sejas uma pessoa sem coragem.

    beijinhos e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. =) Tenho alguma coragem sim, mas isto é uma decisão tão pesada que ainda não cheguei lá. Acho que fazes lindamente!

      Beijinhos

      Eliminar
  11. Vai. Mas com a cabeça no sítio e os pés assentes na terra.
    Beijos

    ResponderEliminar
  12. Eu acho que toda a gente deveria passar pela experiência de viver pelo menos um ano fora do país. Aprende-se muito: passamos a ver a nossa realidade daqui com outros olhos, no que tem de bom e de mau.
    E depois não custa assim tanto como isso: adapta-mo-nos com mais facilidade do que imaginamos. Se tiveres oportunidade sinceramente acho que deverias experimentar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho ainda oportunidade, é uma vontade que de vez em quando se manifesta. Mas não tenho dúvidas que é muito enriquecedora e que todos deveríamos passar por ela.

      Eliminar
  13. Ás vezes quando um motivo não é suficiente e a razão não anda de mão dada com o coração( que raramente acontece) só precisamos de um empurrão porque o empurrar com a barriga não dura muito tempo e um dia É O DIA!

    Não esperes que esse dia chegue, provoca-o ou cria-o porque se ele chega quando ELE quiser dificilmente chegará da forma como queres ou precisas que chega-se!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muitas verdades nesses dois parágrafos! Se continuar com este estado de espírito, pensarei neste projecto mais a sério.

      Eliminar
  14. Não sei se é do teu interesse e se tens possibilidad€s para isso, mas porque não pensar em fazer voluntariado lá fora? Soube há pouco tempo de uma pessoa (um velho conhecido) que foi fazer voluntariado para África durante uns meses (não me lembro em que país).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teria todo o interesse nisso! Falta-me é a disponibilidade financeira para fazê-lo. Mas deve ser das experiências mais ricas que qualquer pessoa pode ter na vida!

      Eliminar
    2. É assim, sendo voluntariado requer sempre alguma disponibilidade financeira. Mas julgo que existem determinadas associações que têm algumas ajudas de custo (ou pagam a viagem, ou arranjam estadia, coisas assim desse género).

      Eliminar
  15. Não sei se isto serve de consolo, mas às vezes também tenho vontade de "fugir"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Serve de algum, sim! Pareço-me mais normal, sabendo que não sou a única ;)

      Eliminar
  16. Eu também penso muito nisso...
    vivi 4 anos em Espanha, e os meus pais ainda lá estão.
    Normalmente vou lá pelo Natal, ou tiro uns dias de férias por altura dos meus anos (faço anos no mesmo dia que o meu pai, fazemos sempre a festa junta), quer dizer, menos desde que voltei para Portugal e eles lá ficaram, mas tento sempre!
    E sair daqui e ir para lá, estar lá uma semana, 15 dias é sempre diferente (agora que não vivo lá, quando vivia queria era voltar para Portugal), mas agora Pontevedra é o meu "escape", e sempre que quero "mudar de vida temporariamente" fujo para lá.

    Eu tenho essa opção (mas acreditem... Preferia ter os meus pais cá ao pé de mim), se não tivesse, juntava uns trocos, apanhava um comboio para uma cidade com pousada da juventude, e passava um fim-de-semana noutra terra, onde não conheço ninguém, sozinha comigo própria, a descobrir-me ou com o meu "moço" só nós dois, onde ninguém nos conhece...

    ResponderEliminar

Elaborai à vontade a tua teoria.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.