É basicamente isto.

É basicamente isto.

23 de abril de 2013

Eu tento ser uma pessoa melhor.

A sério que tento. É capaz de ser disto da idade. Uma pessoa cresce, mesmo. Um dia acorda e é adulta, responsável pelas suas acções. Já não dá para disfarçar. E as coisas começam a ter um peso que não tinham há uns anos. Começa a olhar à volta e a pensar que meio mundo não presta (e estou a ser meiga). Não quer reparar no pior das pessoas, mas já não consegue evitar. Já não apetece olhar para o lado e assobiar.
Sobretudo este Ano, que decidi que tenho de limar várias arestas, e ser uma pessoa mais tolerante, tenho tentado. Sabe quem me é próximo, que não sou perfeita. Estou aqui carregadinha de defeitos. Consigo ser a pessoa mais teimosa e mais intolerante que conheço. Não sou orgulhosa, mas quando atinjo o limite, dificilmente há retorno. Tenho uma capacidade imensa para excluir da minha vida, de uma só vez, a frio, quem já esgotou comigo a quota de oportunidades que lhe estava destinada. A minha Mãe diz, desde cedo, que consigo ser a pessoa mais fria que conhece. Puro gelo, se quiser. Talvez seja verdade. Seja como for, os defeitos estão cá, e nunca me achei melhor do que ninguém. Ainda assim, há uma característica comum a tanta e tanta gente, que é capaz de me fazer perder por completo as estribeiras: quem não conhece alguém que não consegue assumir os erros que comete?  Que não quer arcar com as consequências? Que teima em não crescer? Quem é que não conhece alguém que empurra os seus erros para qualquer lado, que se vira do avesso para "sacudir a água do capote", que não tem brio, que não tem pudor em deturpar factos? Tenho tolerância zero para os troca tintas. Para a irresponsabilidade. ZERO. Gente que se queixa de tudo e de todos, quando são os únicos culpados e responsáveis pelo que corre mal? É gente que me tira do sério, da qual quero distância, a máxima possível. Tenho os meus defeitos, mas se há coisa com que podem contar de mim, é com seriedade. É com actos ponderados, e com o assumir de culpas quando assim tiver de ser. É com a humildade de saber que também falho, e que não há que ter vergonha nisso. É com querer fazer sempre melhor, e dar tudo por tudo em qualquer coisa que assuma fazer. É em honrar compromissos.
 
O que é verdadeiramente importante para mim, e isto aplica-se a qualquer dia do ano, é poder deitar a cabeça naquela almofada maravilhosa, e saber que fiz o que me compete. Mas mais ainda do que isso, é saber que não passei por cima de ninguém, que assumi os meus actos, que sou responsável pelas minhas acções. Pode estar tudo o resto errado, pode tudo correr mal, mas comigo mesma preciso de estar bem. E o meu sonho, o meu verdadeiro sonho, é não ter que lidar com gente que não sabe o que isto é. Gente para quem isto é apenas um lirismo dos outros. Gente a quem podia perguntar como é que adormecem à noite, e que sei que responderiam "Virado para a esquerda. Ou de barriga para baixo, é conforme".

29 comentários:

  1. Subscrevo e aplaudo. Até pode ser giro dizer "não fui eu" quando somos miúdos e não queremos ser apanhados a comer doces ou a fazer alguma asneira. Mas o processo de crescimento infelizmente para alguns é apenas algo físico :/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho problemas grandes com pessoas irresponsáveis...quando são irresponsabilidades que me afectam então, é coisa para me virar do avesso.

      Eliminar
  2. É mesmo criancice. Ainda hoje vinha a falar disso no autocarro do trabalho... uma colega foi despedida por ser assim, tal e qual como descreves! Lixou-se.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No mundo do trabalho, esta atitude é mato. Não sei o que se passa na cabeça destas pessoas, mas acham-se mais espertas do que as outras. Podem tudo sem consequências. Mais tarde, ou mais cedo, lixam-se mesmo.

      Eliminar
  3. Ui que doçura! Identifico-me muitooooo contigo :)
    'Ca bom!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu, minha "carolina"! Um dia destes, sai o tal café!

      Eliminar
    2. Ai sai!! Na esplanada que é como tu gostas :)

      Eliminar
  4. Há quem não tenha a capacidade de assumir os erros, mas pior são os que se julgam perfeitos e não têm capacidade de perdoar os erros dos outros.
    A idade a mim têm-me "curado" de um certo radicalismo e dado mais capacidade de ouvir e perdoar. E não foi preciso ir a nenhuma igreja. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu vou enchendo. Quando a quota é atingida, já não consigo. Aquele argumento do "mas já sabes que sou assim, não é por mal", só faz sentido até certa altura. E idade.

      Eliminar
  5. Não tolero bebés grandes incapazes de assumir responsabilidades, erros, culpas e mentiras. Mas há tanto disso aí...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisamente. Meninos grandes, como lhes chamo. Gente trapaceira, que não inspira confiança a ninguém...

      Eliminar
  6. Acho que cada vez há mais gente dessa por aí, responsabilidades "'tá quieto!".

    ResponderEliminar
  7. Também não gosto desse tipo de gente, pelo que leio aqui sou parecida contigo na maneira de ser, também sou um pouco fria e por vezes chego a ser um pouco dura com as pessoas, mas nunca deixo as minha culpa do lado de ninguém...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sou acusada disso muitas vezes. Mas quando chego a esse ponto, já muita coisa aconteceu, isso é garantido.

      Eliminar
  8. Eu digo-te que és uma pessoa melhor e um doce de pessoa, pode ser?
    Identifiquei-me muito com esta frase: "Consigo ser a pessoa mais teimosa e mais intolerante que conheço." A minha mãe também diz o mesmo que a tua, :).

    beijinhos e boa semana.

    PS: Um favor, de estiveres chateada comigo algum dia, podes dizer.
    São as melhores pessoas que existem e sabes porquê, a falsidade e as mascáras não vivem dentro de nós.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As nossas Mães conhecem-nos bem, provavelmente ;)

      Beijinhos

      PS- parece-me difícil, do que conheço, isso um dia acontecer! Mas conta com a minha sinceridade.

      Eliminar
  9. Mau ...ainda ontem te disse que parecemos siamesas:)
    Podia ter sido eu a escrever este post, mas não fui, por isso a ti só tenho a dizer: Não te arrependas nunca de ser assim;)

    Mais tarde ou mais cedo compensa:) quanto mais não seja pelo valor que cada vez mais e melhor dás a ti própria:)

    Parabéns minha Amêndoa;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sempre ouvi dizer que "o crime compensa", mas sempre achei que só a curto prazo. A longo prazo, esta gente é apanhada de alguma forma.

      Obrigada, minha gémea :)

      Eliminar
  10. Eu não era fria mas tornei-me, ganhei uma capacidade de "excluir da minha vida, de uma só vez, a frio, quem já esgotou comigo a quota de oportunidades que lhe estava destinada" de um modo que quase me assusta, tenho receio de ter ido de um extremo para o outro mas também chega a uma altura que chega mesmo!



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como costumo dizer, foi a vida que nos fez assim. A paciência tem limites.

      Eliminar
  11. Excelente texto. Parabéns.

    Ao lê-lo, só me veio à memória um episódio que se passou comigo, teria eu uns 7 ou 9 anos (já não me consigo recordar da idade exacta). Num certo dia, na minha escola primária, foi-me roubado um relógio, oferecido pelos meus pais (nunca soube quem o fez). Eu, não sei bem porquê, pois nunca tive motivos para tal, com a vergonha, não contei em casa, até ao dia em que o meu Pai me perguntou pelo dito e eu, a custo, lá contei o que tinha acontecido. Levei um raspanete de tal maneira por não ter assumido as coisas logo de início, que ficou-me marcado para toda a vida o sentido de responsabilidade (parece que ainda estou a ver a cena, eheh). E, na realidade, a responsabilidade pelo que aconteceu nem foi minha, mas o facto de ter omitido a situação, numa tentativa de não ser responsabilizado, foi o pior que eu podia ter feito. Se calhar, até aprendi da pior forma, mas aprendi para o resto da vida e quantas vezes não teria sido mais fácil para mim "sacudir a água do capote"...

    DIGNIDADE, é só isso quanto me basta. No dia em que a perder, não estou cá a fazer nada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes há episódios, que por muito que nos pareçam pequenos, nos marcam mais do que poderíamos imaginar.

      Nem mais. Sem isso, não nos resta nada. Mas contigo, a dignidade está segura :) Tenho certeza que sim.

      Eliminar
  12. Estou neste patamar. Fico furiosa com pessoas sem palavra, sem compromisso. Eu sou maleável, mas quando esgota... sai fora! Viro fera ou simplesmente exonero do meu convívio com um sutil desprezo. É triste, mas aí vem se achegando os malfeitores pra saber: "Por que é que você está assim comigo...?????" Afff! kkk. Beijo e apoiado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, também adoro esses. Aqueles que nem percebem o mal que fazem, e que ficam chocados com a mudança de atitude este lado. Se nem perceberam mesmo, pior ainda.

      Eliminar

Elaborai à vontade a tua teoria.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.