É basicamente isto.

É basicamente isto.

17 de abril de 2013

Eu sei que o Amor existe.

Apesar de me considerar uma pessoa sensível, até mesmo a roçar a lamechas de quando em vez, não tenho por hábito falar deste assunto. Disfarço bem portanto, digamos assim. Vamos ver, então, se consigo explicar um dos meus pontos de vista sobre este tema tão vasto.
Acredito no Amor. Não só no seu poder, na sua grandeza, mas também na sua existência. Acredito no Amor que resulta das Amizades e dos laços de Família. Acredito até no Amor de um homem por uma mulher e vice-versa. No Amor romântico, chamemos-lhe assim. Mas não acredito que exista em quantidades tão elevadas como parece. Acredito até que seja raro, e imensamente difícil de encontrar.
Já gostei de várias pessoas, gostar é simples. É fácil. Basta-nos algumas afinidades, algumas coisas em comum, atracção física e psíquica e, voilá, gostamos. Queremos passar tempo, queremos estar perto, sentimo-nos bem na companhia um do outro. Está tudo certo, no sítio onde deveria estar. Mas Amar? Amar não é isto. É muito mais do que isto. É, com o tempo, conhecer os defeitos, as coisas que nos enlouquecem, o menos positivo, as fragilidades e fraquezas, os segredos, os handicaps e, ainda assim, querer ficar por perto. Dia após dia, mês após mês, ano após ano, e ter certeza que estamos no sítio certo. É querer sempre conhecer mais, partilhar mais, viver mais. É uma admiração constante pelo outro, orgulho na pessoa que é, mesmo com os defeitos que já encontrámos. Gostar não tem a mesma força, o mesmo poder. Gostar é tão fácil.
Amar é raro. É raríssimo, se me permitem. Não tenho dúvidas que as pessoas que estão juntas, na sua maioria, gostam umas das outras. Gostam muito, até, talvez. Mas não sei quantas amarão de facto a pessoa com quem estão. Estão porque há o hábito, há amizade, há pontos em comum, há a companhia. Há o gostar. E isso vai chegando...
Se me perguntarem, terei amado duas pessoas apenas até hoje. E talvez esta noção que tenho entre o que é gostar e o que é amar, noção que nem sempre tive, explique o facto de não ter companheiro neste momento. Os meus namoros de adolescência, foram longos. Daqueles que levam a nossa família a achar que vem para aí casamento. Depois, e à medida que o tempo passou e que os anos passaram com ele, esta diferença começou a ter consequências. Rapidamente percebo se gosto apenas ou se há ali Amor. Rapidamente percebo se devo apostar ou não. E, infelizmente, Amor não é sentimento que veja em abundância por aí. Vejo algum, claro que sim. Fico verdadeiramente espantada quando percebo que duas conseguiram encontrar-se nesta loucura de Mundo, e amar-se à séria. Mas vejo mais pessoas que gostam. Que se gostam. E, para mim que já me conheço, gostar nunca será o suficiente.
Eu sei que o Amor existe, mas não está aí ao virar de cada esquina. O Amor é raro. Se já o encontraram, sabem do que falo.

38 comentários:

  1. Sei, amiga, sei do que falas.
    Texto lindo.
    Se o compreendes tão bem significa que quando acontecer (e eu sei que VAI), no momento certo tu o perceberás de imediato;).

    jinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faz figas por mim, Suri. Faz figas!! :)

      beijinho

      Eliminar
  2. "E, para mim que já me conheço, gostar nunca será o suficiente."
    E ser gostado assim também não é suficiente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca...para mim, não dá. Costumo levar com o rótulo de ser muito exigente. Não acho, acho é que não quero menos do que isto que escrevi.

      Eliminar
  3. Eu vejo amor nos meus pais. Infelizmente nunca vivenciei tal coisa... :( Mas já pensei que sim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo menos sabes que é possível, não é uma ilusão, ou uma história que nos tentam vender :) Um dia...

      Eliminar
  4. Gostar não chega. Eu gosto de muita gente, amo muitos poucos e amor...senti por um. E como se diz, não há amor como o primeiro...contudo, estou certa que este coração parvalhão um dia olhará para alguém e dirá "és tu". Não como olhou para ele, mas de um jeito que me fará amar o homem da minha vida.

    Gostei :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse coração vai amar alguém de forma mais saudável, vais ver que sim. Acredito que até o coração aprende com os erros :)

      Obrigada.

      Eliminar
  5. Concordo contigo, eu não sei estar com alguém só porque gosto, se gosto se sinto afinidade, procuro conhecer mais, conhecer melhor, conhecer e mostrar o lado solar e o lunar, só assim se poderá desenvolver o amor, só assim poderá hever entrega e partilha total. Deve haver cada vez menos pessoas a pensar assim...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É por isso que há encantamentos, e depois há amor. O encantamento é muito mais frágil...

      Beijinhos

      Eliminar
  6. Amar é muito mais que gostar, tenho a certeza disso. Há dias que gostar não é suficiente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há dias, fases, momentos, que só o amor tem força para ultrapassar. É isso mesmo...

      Eliminar
  7. Antes de mais, dou-te os parabéns pelo belíssimo texto, não teria escrito melhor. Tenho pouco a acrescentar é muito fácil disser: eu amo-te mas muito raro que esse sentimento seja sentido por ambos.

    beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizem por aí que a palavra Amor está banalizada, e eu acho que é mesmo verdade, infelizmente.

      Obrigada :)

      beijinhos!

      Eliminar
  8. Depois de um texto destes, pouco há a comentar.
    Ainda assim, atrevo-me a dizer que é a diferença entre o "adoro-te" e o "amo-te". Numa ou noutra relação (ou ralação, não sei...), cheguei a levantar um pé-de-vento por chamar a atenção para o uso da expressão "amo-te". Que não é daquelas que se possa usar, assim sem se perceber o verdadeiro sentido (que é o que escreves). O tempo, não sei bem porquê, deu-me sempre razão...eheheh ;))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só para acrescentar que é claro que o Amor existe e ele, às vezes, até anda no ar...

      Eliminar
    2. Sempre foste um moço sábio, bem me parecia ;) Muito cuidado com o "amo-te". É como dizes, é para ser aplicado em consciência.

      Eliminar
    3. Olha, ultimamente, para estes lados...só anda no ar mesmo se colocar essa música a tocar!! :D

      Eliminar
    4. O amor não está no ar, o amor está no cabelo :P

      Eliminar
    5. Please, do explain! No cabelo?

      Eliminar
  9. Sei sim...já gostei de alguns namorados, mas amar a sério mesmo, amei uma vez e muito! Tanto que depois de saber o que é, não é possível contentar-me com menos. Daí, não ter namorado de momento. Encontrar esse amor assim, infelizmente é raro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse é um dos "problemas". Uma pessoa conhece o sentimento, já o viveu, e depois percebe, claramente, quando alguma coisa não bate certa. Quando falta qualquer coisa...

      Eliminar
  10. Estou em total desacordo com este conceito de amor. Não me parece que seja um sentimento que se possa quantificar. Gostar/amar não me parece que seja assim tão diferente. Para mim até a amizade é uma forma de amor.
    Porra, não serão as dificuldades criadas por problemas laterais ao amor, que afastam as pessoas?
    Eu acredito que existem muitos casos onde o amor perdura para além da separação. E não sei se há assim tão pouco amor. Acredito mais que há falta de tempo para o amor, porque a sociedade nos impõe metas quase tão armadilhadas como a meta da maratona de Boston.
    Ou então sou eu que sou um "pinga-amor". ahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim, concordo. Daí ter começado por distinguir o amor de que aqui falo, entre um homem e uma mulher, do amor que caracteriza uma amizade ou um laço familiar.

      Eu acho que dificuldades laterais, como dizes, existem sempre. Mas é aí que entra a distinção. Se com amor, à seria, nem sempre é possível a convivência, sem ele então é impossível.

      Já me encantei por várias pessoas, e depois percebi que não passou disso. De um encantamento que às primeiras dificuldades, morreu.

      Mas és capaz de ser um pinga-amor, sim!! ;)

      Eliminar
  11. " Para cada panela existe um testo para ela! " :)

    Bonitas palavras Cláudia.
    Para se gostar à séria "temos que conhecer o armazém... a loja é sempre agradável" . :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "temos de conhecer o armazém", muito bom! E mesmo assim, a loja nem sempre é agradável ;)

      O meu testo anda para aí, coitado, perdido, sozinho, ao frio...e sabe-se lá mais o quê!

      Eliminar
  12. Desconhecia o Blogue. Não é sobre bola, mas prometo ir passando por cá. :P

    Mas não me metas a ler coisas de amor, porque apesar de ser um dos machões que chora nos filmes, não gosto de dar o braço a torcer.

    :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes também é sobre bola, mas ando a fazer uma espécie de terapia que só resulta se não falar do assunto ;)

      Aqui estás à vontade para mostrar as tuas fragilidades, ninguém lê isto!

      Eliminar
  13. Acho que não passei aqui no momento certo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não ligues, que eu também não percebo muito do asunto!

      Eliminar
  14. Eu já acreditei que me apaixonava com muita facilidade, quando era mais miúda e apaixonava-me, mas porque me entusiasmava, porque não queria estar sozinha, porque gostava de ter alguém comigo, porque me sabia bem. Depois amei. Acabou e entendi, com o desenvolver das coisas, que o amor não vem facilmente. Cheguei até a pensar que não iria voltar a amar. Estive 3 anos e tal solteira, até vir o meu mais que tudo e arrebatar-me de vez, fazer-me apegar a ele como não sabia possível e amar plenamente. Conhecendo defeitos e tudo o mais e querendo, acima de tudo, ainda assim, ser mulher dele.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tocaste aí num ponto fulcral. A habituação. Quantas e quantas pessoas não estão apenas e só habituadas a estar juntas?

      Pelas tuas últimas frases, não tenho dúvidas que encontraste novamente essa pequena grande palavra de 4 letras.

      Eliminar
  15. Também só amei 2 pessoas... percebo bem o teu texto :) Essa é também a minha visão sobre o amor. O amor é tão raro. Não vale a pena forçá-lo, porque não resulta. Amor que é amor não termina com as dificuldades e problemas que vão aparecendo. Pelo contrário, fortalece-se.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faz tanta diferença, não é? Até nós encaramos os problemas de forma diferente quando ele existe nas nossas vidas. Desistir nem nos passa pela cabeça.

      Beijinho

      PS- que venha o nosso 3º, acho que merecemos :)

      Eliminar
  16. Durante alguns anos (ali na fase da estupidez da adolescência) apaixonava-me com facilidade. E nessa fase vive-se tudo com uma intensidade tal que sim, pensava que já tinha amado.

    Quando amei verdadeiramente pela primeira vez, percebi a diferença. Porque era tudo VERDADEIRAMENTE diferente. A relação durou 2 anos, o amor durou cerca de 4.

    Tal como tu e como a Flow, também só amei duas vezes. Dessa vez, e actualmente :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E como é que as pessoa se contentam com menos do que isso? Como é que conseguem? Posso respeitar, mas não consigo perceber.

      Agarra-te a esse Amor!

      Eliminar

Elaborai à vontade a tua teoria.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.