É basicamente isto.

É basicamente isto.

13 de fevereiro de 2013

Bom conselho, pá.

Às vezes gostava de conhecer os colaboradores de certos jornais e revistas da nossa praça. Logo pela manhã, na minha leitura diária gratuita do percurso de 12 minutos de comboio - tudo bem, não será a mais brilhante das publicações, mas dá para o gasto- , deparo-me com um artigo que dava orientações para os solteiros ultrapassarem o 14 de Fevereiro sem cortar os dois pulsos. Há para aí uma ideia generalizada que este dia é um inferno para a malta solteira e que os casais é que são pessoas mesmo felizes. É a sociedade que temos, já se sabe. Aparentemente, é bem melhor estar com a pessoa errada, do que ser solteiro. Pelo menos, têm companhia. Mas deixemos isto de parte, que isto são outros carnavais e diga eu o que disser, só vou conseguir que me achem uma ressabiada com inveja das outras. Adiante.

Dizia eu, eram oferecidos diversos conselhos aos solteiros nesta publicação. Todos assim em bom, mas um deles é, particularmente, genial : aceitar o convite para sair daquele que há tanto tempo tenta, e a quem não demos uma oportunidade sequer. Deixa ver se entendi : sair, em pleno dia dos namorados, com alguém que não nos desperta interesse. Genial!! É a isto que se chama passar a mensagem certa.

Não me entendam mal, adoro estes artigos. Fazem-me rir. Mas pessoa que escreveu isto, devia ter tanto sono quanto eu quando li. Ou ainda não recuperou dos festejos do Carnaval. Ou então, é só mesmo pateta e vai ter uma vida amorosa complicada.

24 comentários:

  1. Olá Claudia, concordo plenamente, estou solteiro, por opção de preferir estar sozinho do que com a pessoa errada. Podia até já ter casado, mas para uns anos depois me divorciar?
    Ainda tenho a ideia (errada ou não) de que o casamento (ou ajuntamento, sou mais inclinado para esta opção) é para a vida e não apenas para agradar, fazer uma festa, ter filhos e depois educá-los sabe-se lá como.
    Quanto ao artigo em si, gostava de ver que o escreveu a seguir o seu próprio conselho, acho que seria um bom filme de dia dos namorados para eu ver, uma comédia!!!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, nesta altura há sempre um filme destes, não há? :)

      O velhinho "antes só do que mal acompanhado", que é um dos mais certeiros provérbios que existem, devia ser ensinado logo na escola primária.

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Dia dos namorados é uma palermice. E fico por aqui, para não ofender algum felizardo da vida.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não acho uma palermice. Tento vê-lo como (mais) uma homenagem ao Amor. O problema é que as pessoas são palermas e a maioria nem sabe o que o Amor é, quanto mais como celebrá-lo.

      Eliminar
    2. Palermice porque é um dia consumista. Onde TODA a gente "tem" que ir jantar fora. Tão lindos, todos lado a lado a jantarem no restaurante, aos sorrisinhos...

      Homem que é homem, faz um dia dos namorados espontâneo, sem motivo aparente.

      Eliminar
    3. Aos sorrisinhos até nem é mau. E os outros que passam uma refeição sem trocar uma palavra? Ou levam a peito o "não se fala de boca cheia" ou são só assustadores.

      Acrescento que, homem que é homem, cozinha um jantar que sim senhora.

      Eliminar
  3. Que bela ideia hã? Só não sei qual a melhor... Escrever o artigo ou a dica! OMG!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes que, nesta altura do ano, há assim uma espécie de movimento para salvar os solteiros, essas pessoas perdidas no mundo ;)

      Eliminar
  4. Eu até gostei da dica...

    Assim, amanhã vou consultar a minha longa lista de pretendentes, escolher uma delas preferencialmente que tenha carro de alta cilindrada para me levar a um restaurante daqueles caríssimos onde o pessoal vai só para ser visto. No final, finjo que me esqueci da carteira em casa e portanto não terei outra hiotese senão aceitar que seja ela a pagar a conta. Claro que direi que para a próxima pago eu (um hambúrguer do Donaldo, e... e...).

    Depois passaremos por um daqueles bares cota com música dos anos 80, cheios de tias de Cascais à procura de carne fresca, para beber uma cena qualquer desde que caríssima, claro.

    No final terei de dizer: "lamento, não houve química, não vou subir para tua casa para uma..."

    Ai se eu fosse uma gaja boa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sérgio, já ganhaste!!! Isso é uma ideia vencedora.

      Depois conta como correu ;)

      Eliminar
  5. Do melhor este fantástico artigo, oh céus!!!
    Um beijinho grande

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito medo que alguém siga este conselho.

      Beijinhoa

      Eliminar
  6. Neste dia ou noutro qualquer, antes só do que mal acompanhado. ahahah

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conceito ainda não interiorizado pela maioria.

      Eliminar
  7. Eu não gosto de não ter namorado, mas é que nem pensar seguir esse tipo de conselhos :D porque raios haveria eu de querer ir apanhar uma seca com alguém que não gosto...ele há cada coisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há dias em que falta qualquer coisa, sim. Mas faltar qualquer coisa, não é sinónimo de faltar uma coisa qualquer.

      Eliminar
  8. É como quem diz, ó pá contenta-te com os restos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, e enquanto fazes isso, goza lá um bocado com outra pessoa, só porque dá jeito. Em bom.

      Eliminar
  9. assino por baixo....era um dia em que eu nunca sairia,,,nem com ,,,nem sem,,,mt menos num first date. Ridículo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente. E é um gozo do tamanho do Mundo para o/a pobre coitado/a do lado de lá.

      Eliminar
  10. CM,

    Ao ler este teu texto lembrei-me logo daquele energúmeno de que nos falaste em casa da L. ...

    É o que tu disseste, a sociedade quer mesmo convencer-nos que estar sozinho é excêntrica e que se o estamos é porque somos insuportáveis ou temos uma qualquer disfunção.

    Mas assim como acho não fazer sentido não se estar juntos quando há amor, ainda faz menos estar com alguém só porque sim, porque até dá jeito dividir despesas ou um corpo quente na cama para aquecer os pés ou qualquer coisa do género.

    Enfim, isto faz-me lembrar um homem que se queixou que a mulher com quem se casou e que combinou com ele cuidar dele até morrer e a quem ele doou todo o seu património o quis atirar à rua logo a seguir ao sagrado matrimónio! (sendo certo que entretanto, ele já casou com outra, provavelmente muito apaixonado!).

    Em suma, o conselho da publicação gratuita é coisa de gente patética!

    ResponderEliminar

Elaborai à vontade a tua teoria.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.