É basicamente isto.

É basicamente isto.

23 de outubro de 2013

Acordei assim como que "pró" lamechas.

Até os mais duros têm dias assim. Dias em que acordam e percebem que, afinal, porra para esta vida, precisamos de outras pessoas. De algumas, pelo menos. Poucas, porque quanto mais forem, maior a probabilidade de nos falharem. E não há nada pior do que sentir na pele a falha de alguém que apostariamos que ali estaria se precisassemos. Hoje, e com esta noção bem enraizada em mim (culpo não só a meteorologia, como toda a Sociedade, pela lamechice que às vezes me acerta em cheio) é tempo de homenagear essas pessoas. Aquelas que têm estado ao meu lado, sobretudo nos últimos tempos. Perdi algumas pelo caminho, umas há muito tempo, outras há pouco. Tenho algumas intermitentes, com quem,  infelizmente, e talvez por culpa de parte a parte, deixei de contar nos momentos em que realmente fariam a diferença. Mas as que tenho, as que fazem parte da minha vida de forma diária, aquelas a quem recorro sem pestanejar quando percebo que não sou assim tão auto-suficiente, essas, caros leitores, são pessoas do caraças. Poderia até usar uma expressão mais "efusiva", mas aqui ainda não se dizem palavrões cabeludos. Quer dizer, vocês podem dizer, eu não. Alguém tem de manter a postura e a imagem disto. Voltando atrás. Se consigo manter a calma quando tudo corre mal, se ainda mantenho a fé na humanidade, se depois de tanta "pancada" ainda acredito nas pessoas, no Amor, na vida, na recompensa que se merece, nos melhores dias que virão, são essas pessoas as responsáveis. Eu terei a minha quota-parte de responsabilidade, mas sem elas seria impossível. E, só por isso, são pessoas do caraças. Pessoas a quem devo tanto, pessoas a quem espero conseguir dar tanto como me dão.
Podemos andar na mó de cima durante dias, semanas, meses e anos. Mas que nunca nos restem dúvidas : quando caímos, são os amigos que nos dão a mão. E, felizmente, no meio de várias desilusões e de algumas mãos perdidas, tenho várias à minha volta. Atentas e preocupadas. E quem tem isto, já tem muito, já tem muitissimo.

Só peço mais uma coisa : apareçam sempre com uma garrafa de tinto.

23 comentários:

  1. Podia muito bem ter sido eu a escrever isto! Com a diferença do "caraças".. Provavelmente seria mais efusiva ahah :)

    Abençoadas sejam as pessoas que nos dão a mão! E são-no, de facto.. Afinal têm pessoas como nós nas vidas deles :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um dia, escrevo mais efusivamente ;)

      E sim, abençoadas por nos terem...quem é que aturariam?? Ah pois!

      Eliminar
  2. Poucos mas bons :)

    E que tragam álcool, seja de que cor for ;)

    ResponderEliminar
  3. Bahhh... Tinto... Bahhh...

    Será que existe alguem no mundo que se considere má pessoa? Que admita: "sim, eu de vez em quando abandono os meus amigos, especialmente se não tiver nada a ganhar em ajuda-los".
    Isto porque, se toda a gente for como diz ser, ou seja boa pessoa sempre disposto a ajudar os amigos, então onde andam os maus?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também digo "Bah, tinto, bah"!

      Eliminar
    2. Dear Lord! Mas vocês não gostam de um bom tinto? Como, senhores??

      Todos nós já fomos, certamente, maus amigos em determinado momento. Aqueles que o são sempre, não assumem, nisso dou-te razão, Sérgio.

      Eliminar
  4. Mais um que podia colocar uma assinatura por baixo. Muito bom!

    Sou daqueles que faz questão de manter esses amigos de que falas por perto, com contacto próximo e fácil. Sem descurar o papel (importantíssimo e fundamental) da família, os (verdadeiros) amigos são indispensáveis para o nosso equilíbrio. Não tenho quaisquer dúvidas nisso.

    Que bebas muitas garrafas de vinho!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, Nix!

      E que sejam garrafas de tinto, já agora :)

      Eliminar
  5. Perceber-te tão bem, antes poucas mas boas ;)

    ResponderEliminar
  6. Também é quando caímos que vemos quem são os amigos... Eu tenho apenas 2 ou 3 amigos (conhecidos tenho muitos), porque sei o que é estender a mão e ninguém a (querer) agarrar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também tenho bastantes conhecidos...alguns que, infelizmente, passaram de amigos a conhecidos. Com o tempo, a tendência natural é começarmos a ter essa noção cada vez mais enraizada...

      Eliminar
  7. Às vezes parece fácil, mas não os encontro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então, minha Carolina? Bastam-nos 2 ou 3, dos bons...

      Eliminar
  8. Quem tem isso tem tudo Loira, porque nos dias maus isto faz toda a diferença.

    ResponderEliminar
  9. Que bonito o teu desabafo.
    Sou da mesma opinião do poucas mas boas.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Minha Cláudia!

      um beijinho grande

      Eliminar
  10. Happy hour!!!!! Weeeeeee! Champagne acabadinho de abrir, confetti e serpentinas eplo ar! apitos e cornetas! Música e animação! Eh, meu amigo Charlie Brown! Toda a gente a fazer o comboio! Adeus nostalgia, olá dia feliz, sê bem-vindo!!!!

    Animou?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se animou?? com isso tudo? Até um morto! :)

      Obrigada!

      Eliminar

Elaborai à vontade a tua teoria.

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.